Para as capas de Poliana e Poliana Moça, criei ilustrações pensando no conceito de que Poliana representa um mito, uma forma de ver a vida, e portanto atemporal. Para esta edição de 2018, resolvi retratá-la de uma forma contemporânea, através do uso do selfie. Projeto desenvolvido para a editora Ciranda Cultural pelo escritório BR75 texto | design | produção. [esta não foi a versão final]